Variabilidade do Metabolismo

No metabolismo da codeína, a toxigenómica têm um papel importante. A codeína é transformada em morfina por intermédio do CYP2D6, sendo que este último composto é responsável pelo efeito analgésico da codeína (Kane and Triggle 2007). Contudo, a atividade do CYP2D6 pode estar alterada, dependendo isto da quantidade e funcionalidade de cópias de alelos do gene CYP2D6. Assim, existem diferentes classificações de acordo com a capacidade de metabolização de um indivíduo (Dean 2016).

  • Metabolizadores ultra-rápidos: apresentam mais de duas cópias de alelos funcionais do gene que codifica para o CYP2D6, sendo capazes de metabolizar rapidamente a codeína em morfina pelo que aquando da toma de uma dose normal de codeína podem experienciar sintomas de sobredosagem. A toma de codeína está contraindicada nestes indivíduos.


  • Metabolizadores normais: apresentam dois alelos funcionais ou dois alelos com função diminuída, sendo a metabolização da codeína em morfina feita em proporções normais.


  • Metabolizadores intermédiários: apresentam um alelo com função diminuída e outro alelo não funcional, tendo o CYP2D6 uma atividade intermediária pelo que os níveis de morfina obtidos por metabolização da codeína são baixos.


  • Metabolizadores pobres: apresentam dois alelos não funcionais pelo que a metabolização da codeína em morfina está altamente diminuída, sendo o efeito analgésico insuficiente. Aconselha-se a toma de outros fármacos como o Tramadol para ação analgésica devido à falta de eficácia da codeína nestes indivíduos (Dean 2016).

Kane, B. M. and D. J. Triggle (2007). Codeine, Facts On File, Incorporated.

Dean, L. (2016). "Codeine Therapy and CYP2D6 Genotype." Medical Genetics Summaries.

Infarmed (2015). "Resumo das Características do Medicamento: Toseína."